20 de dezembro de 2007

100 anos? Uma merda!

Pessimista, poeta romancista, fazedor de curvas no ar, arquitecto genial que constrói para dar beleza ao povo, Oscar Niemeyer fez 100 anos este sábado, dia 15, cheio de projectos e sem tempo para férias.
(...)
Cita Heidegger: «A razão é inimiga da imaginação.» E à pergunta «como é fazer 100 anos?» ele responde como o perguntador merece: «Ora, não me venha com conversas, 100 anos é uma merda.»
(...)
Niemeyer é o pai da arquitectura do espectáculo. Só não lhe digam isso a ele. «Arquitectura não é importante. Importante é a vida», diz. «Passei a vida sobre a prancheta mas, para mim, a política importa mais do que a arquitectura. Quem não é solidário, quem não se preocupa com a miséria, pode ser o melhor profissional e ficar rico, mas é um cretino.»
Niemeyer não ficou rico. «Teria vergonha, o meu avô morreu com a casa hipotecada.» Às vezes dá 50 reais (20 euros) a um mendigo, contrariando a tese que esmola é paternalismo. «Mas quem recebe gosta tanto...» Seu antigo porteiro comprou uma casa graças aos 8 mil dólares dados por ele, e, enquanto trabalhou na Argélia, distribuiu gorjetas chorudas aos pobres de lá.
(...) e diz que aprende muito, olhando as estrelas. «Para me sentir bem pequenino na Terra, que é a verdadeira dimensão que o Homem deve ter. E parem com homenagens, fazer 100 anos não é nada especial.»

Entrevista de Norma Couri, publicada na revista Visão

Catedral Metropolitana, de Niemeyer, inaugurada em 1970

2 comentários:

zmsantos disse...

Personagem fascinante, na obra e no carácter. Uma vida de constante desafio quer ás leis da gravidade quer à condição humana.

Bem lembrado, Rogério!

Princesa disse...

A visão do Mundo através dos olhos de quem ama a Arte acima do seu próprio ser físico,nunca deixa de nos supreender.
Niemeyer é uma referência do nosso eterno espanto com a Arte e com a Vida!