15 de julho de 2008

Filosofia Barata (I)

O mais difícil numa relação, seja ela do foro amoroso, familiar ou uma amizade, é fazer as duas partes caminharem, ao mesmo ritmo, para o mesmo sítio.

Quando ambos caminham em direcções opostas, o distanciamento aumenta e a ruptura é inevitável.

Quando só uma das partes caminha, acabará por cobrar da outra parte o esforço dispendido.

Quando o ritmo de uma das partes é constantemente mais elevado, mais cedo ou mais tarde os dois perderão o contacto.

Será possível haver uma relação em que ambos caminhamsempre no mesmo ritmo, na mesma direcção? Eu acho que não, por isso é preciso estar atento para saber quando se deve acelerar o passo ou abrandar a marcha e esticar a mão.

Professor Chiça
(vamos a casa, fazemos orçamentos, casamentos e baptizados)

9 comentários:

Maria disse...

Olá Rogério

Não há duas pessoas iguais, por isso tentemos acompanhar, acelerando ou abrandando, como dizes...

Um abraço
(por onde andam as cantigas?)

Anónimo disse...

Almas gemeas?!

Rogério Charraz disse...

Maria, isso é que foi rapidez?!

As cantigas abrandaram um pouco para o pessoal conseguir ter alguma vida pessoal, mas estão de volta no fim-de-semana de 26 e 27. Espero que o seu bronze exterior dure até lá, que o interior eu sei que vai ficar por muito tempo...

Anónimo, gémeas só forem mesmo as almas, que as assinaturas são bem diferentes... ;)

Carol disse...

Boa filosofia ... ;)

O equilibrio deverá ser sempre a escolha mais acertada, para evitar distanciamentos ou rupturas ...

Besos !!

Trovador da Lua disse...

Falar, falar muito. Falar do tudo e do nada de cada um. Escutar e respeitar o passo, sem nunca largar a mão.
Abraço.

zmsantos disse...

O mais difícil numa relação é haver relação.

(Filosofia do Barata)

Leticia Gabian disse...

Viver a dois, estar a dois só vale a pena quando há esta vontade em ambos.
Daí em diante, não há receita nem há filosofia que ditem como deve ser ou deixar de ser... Apenas há o estar a dois, porque assim desejam estar.

É como eu sinto. É como eu vivo.

Rogério Charraz disse...

Trovador, concordo desde que se fale muito, se ouça mais, e se diga alguma coisa.

Zé, ainda prefiro a filosofia da barata: O mais difícil numa relação, é não haver ralação.

Leticia, falou tão pouco mas disse tanto! E viva o amor em liberdade, e a liberdade do amor!

Rogério Charraz disse...

Professor Chiça, peço desculpa pela invasão.

Anónima, já viste se eu não fosse distraído?