27 de março de 2008

Pela mão do escritor

Há decisões que se tomam e que se lamentam a vida toda e há decisões que se amarga o resto da vida não ter tomado. E há ainda ocasiões em que uma decisão menor, quase banal, acaba por se transformar, por força do destino, numa decisão imensa, que não se buscava mas que vem ter connosco, mudando para sempre os dias que se imaginava ter pela frente. Às vezes, são até estes golpes do destino que se substituem à nossa vontade paralisada, forçando a ruptura que temíamos, quebrando a segurança morta em que habitávamos e abrindo as portas do desconhecido de que fugíamos.

Em “Rio das Flores”, de Miguel Sousa Tavares

5 comentários:

Anónimo disse...

Sabem algo de Naia Castro?
Se procurarem entre o vosso "grupo" ... encontrareis!

Rogério disse...

Eh lá...suspense? intriga? mistério? bluff? hemorróidas?

zmsantos disse...

Acho que é mais a última opção...

MisteriosaLua disse...

Juro que não tenho nada a ver com isto... E hemorróidas também não! LOL
Besitos da Lua

Anónimo disse...

...Muito menos eu...