18 de maio de 2007

Bem hajas

Amigo, vais-me desculpar, mas eu não posso ficar calado. Não é pelo valor material, porque isso para mim é irrelevante, mas é a atitude, a forma como os teus olhos brilham quando fazes os olhos dos outros brilharem. Isso é algo indescritível e demasiado bonito para que se possa traduzir em Euros, ou qualquer outra medida quantitativa.

Fiz questão que o primeiro texto a sair destas teclas fosse para ti.
Porque estou aqui com o sorriso pregado de orelha a orelha, como um menino que recebeu um brinquedo novo. Porque me fazes acreditar de novo na amizade, eu que andava tão descrente. Porque vais dando sem nada pedir em troca. Porque me dás alento para não parar de me inquietar.

Já tenho fama de ser um miúdo, confuso, lamechas e sei lá mais o quê, mas nesta fase da minha vida interessa-me aquilo que sinto, não o que os outros, os que não têm importância na minha vida, pensam.

Bem hajas, Zé.

3 comentários:

Uma vida qualquer disse...

Haverá algo melhor que fazer os outros felizes? Miúdo lamechas, não há certamente.
Besos (a los dos)

zmsantos disse...

A Naia Castro é que se vai divertir com a perfusão destes 'postais' ilustrados. :)


Abraço.

Erica Vilarinho disse...

Olá Rogério...

Não tens que pedir desculpas pela invasão, afinal os blogues são para ser visitados! :)
Tens bons posts por aqui, aos poucos vou espreitando e conhecendo melhor o teu tubo de escape.

Fico feliz que tenhas apreciado o meu texto. Obrigada pelo simpático comentário.
Apareça sempre que quiseres.
Ah... o teu recado foi entregue :).

Beijinhos em todos aí também.
Até mais.