27 de abril de 2006

Pela voz do poeta...

Este texto é um verdadeiro espelho de um estado de alma, coincidente com o meu, neste momento...

Não queiras saber de mim
Carlos Tê / Rui Veloso

Não queiras saber de mim
Esta noite não estou cá
Quando a tristeza bate
Pior do que eu não há
Fico fora de combate
Como se chegasse ao fim
Fico abaixo do tapete
Afundado no serrim

Não queiras saber de mim
Porque eu estou que não me entendo
Dança tu que eu fico assim
Hoje não me recomendo

Mas tu pões esse vestido
E voas até ao topo
E fumas do meu cigarro
E bebes do meu copo
Mas nem isso faz sentido
Só agrava o meu estado
Quanto mais brilha a tua luz
Mais eu fico apagado

Amanhã eu sei já passa
Mas agora estou assim
Hoje perdi toda a graça
Não queiras saber de mim

Dança tu que eu fico assim
Porque eu estou que não me entendo
Não queiras saber de mim
Hoje não me recomendo

5 comentários:

Sofia disse...

É de facto um estado de espírito muito pouco agradável. Fica bem...

zmsantos disse...

«Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo…»

(Fernando Pessoa)


Abraço amigo

Anónimo disse...

Oi Rodrigo! Compreendo muito bem o teu estado de espírito, infelizmente o meu também está assim. Pois sabes, é triste gostar de e ser ignorada. Sofro... Beijo e força. TP

Lusaut disse...

Olha que não podes sempre fazer isto! Deixar-nos a todos preocupados contigo e a jogar às adivinhas! ;-)
É só para dizer que o telemóvel está ligado, a porta aberta, os braços estendidos e o ouvido disponível.
FORÇA. Um forte abraço.

Rogério Charraz disse...

Sofia, bem vinda a esta humilde casa.

Zé, não vale estares aqui a abrilhantar a casa quando tens a tua... Momento Lindo! Abraço...

TP, é Rogério e não Rodrigo, mas não tem importância, até porque é o nome de um dos meus sobrinhos. Normalmente não gosto de anonimatos mas desta vez respeito uma vez que falaste do teu íntimo. Mas já agora deixa-me esclarecer que não sou ignorado, apenas magoei a pessoa mais importante da minha vida e estou a tentar recuperar o tempo perdido.
Jörg, muito obrigado, não é novidade para mim essa disponibilidade. Foi um desabafo de quem atravessa um caminho espinhoso mas que tem que ser solitariamente percorrido. Abraço.