3 de maio de 2005

Um alô de Serpa

Continua a minha digressão pelo Alentejo. Infelizmente faltam-me as companheiras de sempre, "mi mujer e mi guitarra". Acho que um dia destes me dá na "veneta" e faço uma digressão pelo país. Arranjo um estendal portátil, instalo-me cada dia numa praça de uma cidade do país. E fico a tocar as minhas músicas. Em vez de estender o chapéu ou a mala da guitarra, vendo discos. Eu não, "mi mujer". Se o estou a fazer por causas farmacêuticas porque não por amor à música?

Aceitam-se desde já patrocínios e incentivos...

Rogério Charraz

1 comentário:

Lusaut disse...

…e depois das cidades e vilas deste país, viajar pelos caminhos da Europa e por este vasto mundo fora… tocar e conhecer pessoas e lugares… porque não – e depois ainda há a possibilidade de ir aos campeonatos de “busking” (arte na rua) (– Existem! A sério! Um dos mais conhecidos são as olimpíadas em Wellington na Nova Zelândia.).
Um conselho: Mantém o chapéu e/ou a mala da guitarra – para superar aquilo que “vai caindo” ao longo de umas horas é preciso vender muitos CDs! ;-)

PS: A gente vê-se por aí, numa esquina qualquer deste mundo.