26 de abril de 2005

25 de Abril

Ontem comemorou-se em Portugal o 25 de Abril. De certeza? Eu confesso que fiquei com algumas dúvidas.

No Domingo fui tocar a uma simpática vila alentejana chamada S. Marcos do Campo e ontem no Cacém, a convite dos Real Companhia. Pois, acreditem ou não, não vi um único cravo. É certo que na vila alentejana a comemoração do 25 de Abril coincide com as festas do padroeiro da cidade. Mas o mais incrível é que quem quisesse assistir ao espectáculo no Cacém tinha que desembolsar 5 Euros, se residisse no concelho, caso contrário passava a 10!

Se bem se lembram o ano passado esta data ficou envolta em polémica à conta de uns cartazes que propositadamente tinham deixado o "r" em casa. E pelo que vi este ano, parece-me que o conceito de evolução desses senhores é esquecer o passado, que isso de ser coerente com os valores que se conquistaram dá muito trabalho...

Pois eu, que em 25 de Abril de 1974 nem sequer aínda estava planeado (para dizer a verdade eu nunca cheguei a estar planeado), farei os possíveis e os impossíveis para que nunca se esqueça este fantástico e decisivo episódio da nossa história.

25 DE ABRIL SEMPRE!

Rogério Charraz

1 comentário:

Lusaut disse...

Outras terras...outras comemorações...

Eu fui tocar a Évora com os "Torga", onde o fim do festival "Raízes do Som", que tivemos a honra de encerrar com o nosso concerto, coincidiu com as festividades do 25 de Abril. Aqui houve 25 de Abril. É verdade, que Évora já tem fama neste campo, mas mesmo assim é altamente louvável a coordenação entre a câmara (agora socialista) e a organização do festival e ainda muitas outras iniciativas, para tornar este dia numa grande festa para todos. João Afonso, Grupo Coral Cantares de Évora, “Uxu Kalhus”, Oficina de Danças Tradicionais e instrumentos, Sessões de Cinema, Arruadas e concertos com Bandas Filarmónicas, Companhia de Dança Contemporânea de Évora, Pintura de Azulejos, Aula de Yoga, Grupo Vocal Trítono, várias actividades desportivas, torneios de malha, sueca, … etc. Houve cravos, e muitos! Houve festa, e sem ser demasiado politizado. Houve povo, povo unido, quando todos cantam e todos se lembram daqueles ideais – pelo menos uma vez por ano.

Pois eu, que nem sequer sou Português, podia não dar qualquer importância a tudo isto, mas aquilo que esta data representa são valores e ideais que devem e têm que ser conquistados e reconquistados pelos Homens, todos os dias e em todo o mundo. Não são valores políticos, são valores universais. Não nos podemos esquecer da história e por isso temos que nos lembrar dela e temos que ensiná-la aos nossos filhos, para que estes poderem manter vivos os valores que ela nos ensinou. E qual a melhor data para dar mais um passo nesta direcção, do que um dia, de todos os dias em que alguém lutou pelos seus ideais, no qual esta luta foi vitoriosa.

25 DE ABRIL SEMPRE! …e todos os dias.