18 de setembro de 2006

Senhora da Pena no Guiness

Notícia do Jornal de Notícias:

A tradicional romaria da Nossa Senhora da Pena, em Vila Real, contou este ano com aquele que é o maior andor do Mundo. 22 metros de altura, 12 de comprimento e duas toneladas de peso foram transportadas por mais de 50 homens, num trajecto de 800 metros. Esta foi a fórmula utilizada para o andor entrar para o livro de recordes do Guinness.
(...)
Para assistir à procissão, eram esperadas 30 mil pessoas, "mas acreditamos que já ultrapassamos largamente esse número", garantiu, ao JN, Paulo Costa, membro da organização.

É preciso lá ir para perceber a dimensão da festa. Numa das últimas visitas à Avó Maria, na localidade de Alvites, freguesia de Mouçós, tive a oportunidade de ver "in loco" o acontecimento de que tanto ouvira falar desde que me juntara ao clã. E espanta qualquer um como uma festa realizada a poucos quilómetros de Vila Real de Trás-os-montes (cada ano é organizada por uma das freguesias circundantes) consegue movimentar mais de 30 mil pessoas e fazer o maior andor do mundo. É um acontecimento único para as pessoas da região, mesmo para os que constituíram as suas vidas noutras zonas do país, ou mesmo noutros países da Europa. Todos os anos, o segundo Domingo do mês de Setembro marca o regresso a casa dos "filhos da região" para viver e partilhar as emoções da Senhora da Pena.

Enquanto esperam por Setembro do próximo ano, podem ver aqui fotos e videos da festa deste ano, que consagrou o evento como recordista mundial!

Um beijo, tia.

11 comentários:

sandra disse...

como membro do clã que pediu o link agradeço-te. sabes, é, às vezes, desanimador querer descrever uma coisa e não conseguir, pela grandiosidade.
principalmente quando nos mora no coração.
assumo, que gosto particularmente do momento do andor a "dançar" virado para a santa...e sei que não é pelo andor...mais uma vez obrigada, sobrinho. Beijo também para ti.

Uma vida qualquer disse...

Voltamos de férias ainda a meio gás, e lá nos esquecemos das sugestões para o fim de semana!
Esperaremos pelo próximo Setembro, assim sendo.

Rogério Charraz disse...

Tia, se um dia destes conseguires exprimir algumas dessas emoções em palavras, gostava de as publicar aqui. Deixo-te o desafio, extensível ao resto do clã. E por falar nisso, Sr. Francisco Vilarinho (estás aí), não era suposto o clã estar a trabalhar num blog-livro sobre o patriarca?

Dra. Retalhista, a sugestão para este fim-de-semana foi comer à pressa um bife que vai entrar no guiness como o bife mal-passado mais demorado da história da restauração...

Ana disse...

...continuando o registo anterior, será que as pessoas que vivem essa festa o fazem apenas por tradição? Ou por fé? Será que também é um dos rituais que, segundo defendeste para o baptismo, deveria desaparecer, ou pelo menos, ser abolido da vida da maioria das pessoas, porque perdeu o seu peso e valor real, porque as pessoas apenas o cumprem como tradição, destituído do seu real significado???
São só umas quantas perguntas, que me parecem pertinentes, face ao post anterior e respectivos comentários...

O bife mal-passado disse...

Podia ter-se lembrado disso, antes de fazer-me desaparecer entre dentadas e suco gastrico.

Rogério Charraz disse...

Ana, eu nunca disse que o baptismo devia desaparecer ou ser abolido da vida da maioria das pessoas. Apenas defendo que certas manifestações de fé não deveriam ser banalizadas e transformadas em meras festas sociais.
A comparação não me parece razoável, até pela ordem de grandeza das coisas. Mas se quiseres ir por aí, no fundo o princípio é o mesmo. É minha convicção que quem participa na romaria ou noutras celebrações religiosas que fazem parte da festa o deva fazer pela fé e pela crença e não por ser tradição ou por querer ajudar a festa a entrar no Guiness...


Peço desculpa, mas não respondo a bifes...

Ana disse...

Apenas um reparo, quanto à ordem de grandeza das coisas, da parte de uma ex-catequista: o Baptismo é um dos sete Sacramentos, talvez o mais importante/simbólico, porque marca a entrada de um novo membro na Igreja Católica, porque estabelece um compromisso entre os pais dessa criança e a Igreja, porque ali se comprometem a ensinar-lhe os princípios da Fé e educá-la de acordo com eles.
Assunto, portanto, bem mais sério e bem mais grandioso, do ponto de vista religioso, do que uma procissão ou romaria que apenas quando exista missa, terão igualmente um Sacramento, nesse caso, a Eucaristia.
Aliás, quanto a essas, a Igreja tolera-as, apoia-as - porque fruto de uma vontade popular de expressão pública da Fé - mas não as cria, salvo raras excepções, como acontece com Santuários onde determinados eventos são, de facto, criação da Igreja.
Achas que a maioria das pessoas que participou na Romaria de Nossa Senhora da Pena o fez por uma questão de Fé, ou terá sido com o mesmo espírito que levou os participantes na mítica feijoada em pleno tabuleiro da Ponte Vasco da Gama a ajudar o evento a entrar para o Guinness?
Quanto ao facto de não responderes a bifes, Charraz, acho muito má essa manifestação xenófoba... lá porque são bifes (ou bifas) não deixam de ser humanos... :-)

Telmo Carquejo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Telmo Carquejo disse...

Bem, permitam-me um reparo, porque acho que já estão a discutir demasiado a questão da fé e tradição na Senhora da Pena. Quem conhece como eu a festa, sabe que as pessoas vão lá tanto pela fé como pela tradição! Acho as duas legítimas. Aliás, quem conhece a festa sabe que as pessoas da freguesia vivem-na de uma forma muito intensa que chega a ultrapassar as questões de fé ou tradição. Está-nos no sangue! Só um profundo desconhecedor do evento pode afirmar que a maioria das pessoas que se deslocam à Sra. da Pena o faz devido ao guiness... ERRADO!!! Desde que me lembro esta festa sempre teve muita gente, tanto da terra como de fora (e não dava na tv). A história do guiness foi apenas um "golpe" publicitário, que, a avaliar pelo alarido, deu resultado.

Saudações Transmontanas

Rogério Charraz disse...

Caro Telmo, antes de mais bem-vindo a esta humilde casa. Espero que a referência e o atalho para o seu blog não tenham sido mal interpretados.
Quero esclarecer que nunca disse que os participantes e visitantes da Festa da Senhora da Pena o fizessem pelo recorde do Guiness, até porque sei, por experiência própria, que as pessoas o fazem com muita dedicação e entusiasmo há muitos anos. Tal como disse no meu texto, é preciso lá estar para perceber.

Caríssima ex-catequista, a comparação entre os dois rituais não é minha, até porque a classifiquei como pouco razoável. Quanto à grandeza das coisas, não me referia à importância litúrgica dos actos mas à quantidade de pessoas que envolve. Mas não me parece que qualquer acto de fé seja "bem mais sério e bem mais grandioso" que outro.

Telmo Carquejo disse...

Bem... caro Rogério Charraz peço pelos vistos fui mal interpretado. Eu não me referia ao seu comentário. Aproveito para agradecer o facto de ter colocado um link para o meu blog!

Saudações Transmontanas