27 de outubro de 2005

Pela voz do poeta

Para o meu amigo João Balão:

LUTA

Um contra o mundo, é pouco.
Mesmo que seja louco,
É muito pouco ainda.
Mas que pode fazer o homem que endoidece
E se esquece
De medir o poder do seu tamanho?
Ah, se houvesse um fotógrafo no céu
Que filmasse
Uma aventura assim, ridícula e perfeita!
D. Quixote sozinho
A combater as velas do moinho
Que mói, ronceiro, a última colheita.

Miguel Torga, em "Cântico do Homem"

3 comentários:

Sandra Feliciano disse...

Este rapaz do tubo de escape agora conseguiu surpreender-me...

É que ainda não tinha aqui visto neste espaço qualquer resquício de gosto pela poesia.

Então andava escondidito, esse gosto... Quer-em parecer que o Rogério está a começar a sentir-se mais à vontade no seu próprio tubo e já começa a revelar facetas mais íntimas, porque mais sensíveis, da sua personalidade.

Há que monitorizar este blog ainda mais de perto de ora em diante, que isto pode ser indicio de que o dito está a desabrochar em força e que mais novidades surgirão por aqui... ;o)

A Burra Nas Couves disse...

Agradeço do fundo do coração a dedicatória. Sinceramente! Nunca ninguém me tinha dedicado um poema, e mais a mais dum nome tão grande como o de Torga.

Sandra Feliciano disse...

A sério, João???...

Devias dizer isso a todos os meus "ex", para ver se eles percebiam a sorte que tiveram em tempos! LOL